• Home
  • Notícias
  • Pages
  • Sindicato detona GloboPlay por uso de inteligência artificial – Metrópoles

Sindicato detona GloboPlay por uso de inteligência artificial – Metrópoles


Metropóles
atualizado
Nos últimos dias, a GloboPlay foi envolvida em uma polêmica por assumir ter usado inteligência artificial para dublar o documentário Rio-Paris: A Tragédia do Voo 447. A decisão tem sido bastante criticada, principalmente por quem trabalha na área de audiovisual.
A treta toda começou quando a plataforma de streaming colocou uma mensagem de alerta para quem está assistindo à obra: “A versão em português das entrevistas concedidas em língua estrangeira para este documentário foi feita a partir da voz dos próprios entrevistados, como uso de Inteligência Artificial, respeitando-se todos os direitos e leis aplicáveis. O conteúdo das dublagens é fiel às entrevistas originais. Os entrevistados que não aceitaram a dublagem foram legendados”, informou.
Imediatamente, o Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado do Rio de Janeiro (Sated-RJ) se manifestou sobre o caso. A coluna teve acesso exclusivo à nota da instituição, que detona a decisão da empresa em usar o recurso ao invés de pessoas.
“Essa escolha, motivada exclusivamente por questões econômicas, representa um desrespeito inaceitável aos profissionais de dublagem, que se dedicam a essa arte com talento e sensibilidade”, declara o órgão, através do comunicado assinado pelo presidente Hugo Gross.
Sindicato detona GloboPlay por uso de inteligência artificial Reprodução
Atores se reúnem na festa de encerramento de Arcanjo Renegado Divulgação

Sated-RJ marca presença no Fórum Nacional dos Trabalhadores da Cultura Reprodução
Sindicato dos Artistas garante pagamento atrasado de figurantes Diovulgação
Hugo Gross Reprodução/Instagram
Hugo Gross Reprodução/Instagram
Hugo Gross Reprodução/Instagram
Hugo Gross
Hugo Gross
Hugo Gross Reprodução/Instagram
Hugo Gross é presidente do Sindicato dos Artistas do Rio Reprodução/Instagram
Hugo Gross Reprodução/Instagram

“Não me passou naturalidade”, afirma Hugo Gross sobre Daniel Erthal Instagram/Reprodução
Hugo Gross e Daniel Erthal Reprodução/Instagram
Ex-mulher de Hugo Gross invade condomínio do ator Reprodução
Hugo Gross Reprodução
O Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado do Rio de Janeiro (Sated-RJ) vem, por meio desta nota, expressar sua profunda indignação e repúdio à decisão da Globoplay de utilizar inteligência artificial para dublar o documentário Rio-Paris: A Tragédia do Voo 447, empregando vozes autorizadas das próprias pessoas envolvidas na tragédia.
Essa escolha, motivada exclusivamente por questões econômicas, representa um desrespeito inaceitável aos profissionais de dublagem, que se dedicam a essa arte com talento e sensibilidade.
Ao optar por uma solução tecnológica, em detrimento dos dubladores, a Globoplay não apenas prejudica esses trabalhadores, retirando-lhes oportunidades de emprego, mas também compromete a qualidade do produto final oferecido ao público.
A dublagem exige experiência e uma capacidade interpretativa que vão muito além da mera reprodução de vozes. Substituir essa competência humana por inteligência artificial desvaloriza a profissão e entrega um resultado de qualidade inferior, prejudicando a experiência do espectador.
Exigimos que a Globoplay e o grupo Globo reveja suas políticas e passe a valorizar os profissionais que contribuem de maneira essencial para a excelência das produções audiovisuais brasileiras. O respeito aos dubladores é fundamental para a manutenção da qualidade e integridade da nossa indústria.
O uso da inteligência artificial nas produções audiovisuais tem ganhado cada vez mais destaque. No entanto, o Sindicato dos Artistas do Rio (Sated-RJ) está de olho na situação e emitiu uma nota oficial repudiando a questão. Assinado pelo presidente da associação, Hugo Gross, o texto, obtido com exclusividade pela coluna, diz que o órgão lutará pelos direitos autorais e pela empregabilidade dos artistas e técnicos que estão sendo prejudicados com a utilização indiscriminada da I.A.
“O Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos e Diversões do Estado do Rio de Janeiro (SATED/RJ) vem por meio do seu presidente, Hugo Gross, comunicar que não medirá esforços para barrar a utilização indiscriminada da Inteligência Artificial (I.A) em qualquer produção Audiovisual que afete a empregabilidade de nossos artistas e técnicos, em especial no ramo da dublagem, uma das mais afetadas com o uso das novas tecnologias, podendo gerar perda de milhares de postos de trabalho”, diz o começo do texto.
E continuou: “Segundo relatos de muitos profissionais sindicalizados, ao assinarem contratos para novos projetos, é cada vez mais comum que as empresas (distribuidores de filmes, séries, desenhos, etc.) insiram cláusulas que permitam que versões sintéticas, criadas pelo o algoritmo da inteligência artificial, sejam geradas a partir de suas vozes em qualquer obra que o estúdio venha a produzir no futuro por meio de qualquer plataforma ou veículo de comunicação. Além da dublagem, figurantes, autores, técnicos e atores serão diretamente afetados”.
O texto cita, ainda, a greve de atores e roteiristas de Hollywood. “Um dos motivos da greve dos atores e roteiristas em Hollywood é que as propostas em negociação dos estúdios incluíam cláusulas que claramente ferem o direito autoral, por exemplo, uma em que os ‘figurantes cederiam as suas imagens para serem replicadas para sempre, sem nenhum pagamento extra e onde os estúdios teriam direitos dessas imagens em qualquer projeto sem o devido pagamento’. Sabemos que diversos profissionais da Dublagem no Brasil foram quase que forçados a assinar contratos que possuíam cláusulas neste sentido, abrindo mão do seu direito autoral por conta do argumento de novas tecnologias, outros assinaram tais contratos, mesmo sem entender o que estavam assinando”.
“A situação mundial do mercado de trabalho e o seu futuro causa grande preocupação em todos os artistas e técnicos e em especial do nosso Sindicato, pois entendemos que esse cenário focado somente no lucro das produções fará com que todas essas profissões possam perder espaço para a I.A. E esta preocupação assola toda a engrenagem que faz o entretenimento brasileiro acontecer de fato. São milhares de profissionais que podem perder os seus empregos com a adesão em massa da Inteligência Artificial”, completaram.
O Sindicato dos Artistas do Rio se mostrou disposto a combater o que chamaram de “monstro tecnológico”. “Nós do SATED-RJ apoiamos toda e qualquer ação que possa combater este monstro tecnológico que está sendo gerado. Seja através de leis que garantam proteção do emprego, direitos autorais e principalmente a legalidade trabalhista dos profissionais que estão sendo contratados, até porque no Brasil a profissão de artista é uma profissão regulamenta por lei. A Lei 6.533/78 define que é necessário registro profissional para exercer a profissão de artista ou técnico”, escreveram.
Na nota, o Sated-RJ também menciona o fato das obras criadas por inteligência artificial não serem protegidas por direitos autorais.
“Por enquanto, obras criadas por inteligência artificial não são protegidas por direitos autorais. Isso quer dizer que elas podem ser usadas de forma livre, sem que ninguém precise ser pago por isso. Já tramita no Congresso um projeto de lei para criar regras sobre o uso de inteligência artificial e esta lei pretende criar um marco legal do uso desse tipo de tecnologia e quais princípios serão adotados para que o uso da inteligência artificial não desrespeite direitos humanos, valores democráticos e privacidade dos dados”, explicaram.
O texto continuou: “Em relação aos direitos autorais, ainda não está claro como essa regulamentação deve tratar a questão, caso seja aprovada. Por isso é fundamental a escuta das discussões do SATED-RJ e dos artistas e técnicos profissionais que são as pessoas diretamente afetadas. Outra forma de combater o uso indiscriminado da I.A é através de Convenções Coletivas e Acordos Sindicais com as produtoras de audiovisual e empresas de radiodifusão, para que estas tenham cláusulas que garantam empregabilidade, proteção e autoria dos nossos artistas e técnicos. Chegando ao ponto de, se for necessário, ‘o direito a paralização e greve nas produções brasileiras’ para que possamos garantir aos nossos artistas e técnicos os pontos primordiais para a manutenção das profissões”.
O presidente Hugo Gross pontuou que, em breve, será feita uma reunião com toda a classe artística para que o assunto da inteligência artificial seja discutida coletivamente.
“Em breve estaremos convocando uma reunião de emergência com toda classe artística para discutirmos sobre este assunto (I.A.) e propormos este ponto de preocupação e proteção nas novas convenções coletivas e acordos entre sindicato de trabalhadores e sindicato patronal. Por se tratar de uma tecnologia que assombra toda a classe artística de forma global, necessitamos de uma ação coletiva de forma urgente. Haja vista a greve dos roteiristas e artistas de Hollywood que lutam por melhores remunerações e direitos autorais. Até a Organização das Nações Unidas (ONU) já se manifestou sobre os possíveis danos da utilização em massa da Inteligência Artificial em esfera global”, informou.
E encerrou: “Nós do SATED-RJ estamos empenhados na luta em defesa da categoria para que possamos garantir a todos os artistas e técnicos os direitos autorais, remuneração justa e empregabilidade, combatendo o lucro acima de tudo e colocando em primeiro lugar os seres humanos e os seus direitos fundamentais, como o direito ao trabalho e a remuneração justa”.
Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.
Todos os direitos reservados
Quais assuntos você deseja receber?
Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:
1.
Mais opções no Google Chrome
2.
Configurações
3.
Configurações do site
4.
Notificações
5.
Os sites podem pedir para enviar notificações
Você quer ficar por dentro da coluna Fábia Oliveira e receber notificações em tempo real?

source

Compartilhe:

Picture of Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria, aos 27 anos, é a mente criativa por trás da produção de textos da Kriahtiva. Com uma paixão inigualável pelo universo online, seus textos são faróis de inspiração, navegando pelos mares do marketing digital com inovação e expertise. Em cada artigo, ele transforma conceitos complexos em leituras envolventes, guiando os leitores por uma jornada única de descobertas no vasto mundo do marketing.

Sobre o autor

Picture of Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria, aos 27 anos, é a mente criativa por trás da produção de textos da Kriahtiva. Com uma paixão inigualável pelo universo online, seus textos são faróis de inspiração, navegando pelos mares do marketing digital com inovação e expertise. Em cada artigo, ele transforma conceitos complexos em leituras envolventes, guiando os leitores por uma jornada única de descobertas no vasto mundo do marketing.

Veja também

mais acessados

On Key

Related Posts

Sindicato detona GloboPlay por uso de inteligência artificial – Metrópoles