Por que o AI Pin se tornou o maior fracasso de 2024 – Exame Notícias

Acesse o melhor conteúdo do seu dia, o único que você precisa.
ESG


INVEST


GUIAS DE CONTEÚDOGUIAS DE CONTEÚDO


EVENTOS EXAMEEVENTOS EXAME


CANAIS ESPECIAISCANAIS ESPECIAIS


(Humane/Divulgação)
Repórter
Publicado em 6 de junho de 2024 às 16h30.
Última atualização em 6 de junho de 2024 às 16h42.
No início de 2024, logo após a tradicional feira de tecnologia CES, startups apresentaram propostas de produtos que mesclavam inteligência artificial, câmeras e, talvez, substitutos para os onipresentes smartphones. A ideia, em geral, era facilitar a interação entre o usuário e a máquina, que se torna cada vez mais capaz.
Um dos grandes destaques foi o Ai Pin, feito pela estreante Humane, que, como explica o “pin” do seu nome, é usado como um broche na roupa. A ideia é ter pregado no corpo um chatbot que te ajuda — na teoria — em tarefas diárias.
Quando lançado, a revista Time nomeou o Ai Pin como uma das melhores invenções de 2023. A empresa, que arrecadou US$ 240 milhões de investidores como Sam Altman, da OpenAI, e Marc Benioff, da Salesforce, tinha uma previsão de vender 100 mil unidades. Mas tudo ruiu.
Ainda em janeiro, a empresa demitiu cerca de 10 funcionários e, em fevereiro, um engenheiro sênior foi demitido após questionar a qualidade do produto.
Após as críticas, a Humane iniciou conversas com a HP sobre uma possível venda por mais de US$ 1 bilhão. Outras empresas também manifestaram interesse, mas sem negociações formais até o momento. Para lidar com as discussões, a Humane contratou o banco de investimentos Tidal Partners e busca uma nova rodada de financiamento que a valorize em US$ 1,1 bilhão.
A pá de cal sobre o produto aconteceu nesta semana, quando a Humane solicitou que os clientes parassem de usar o estojo de carregamento do Ai Pin devido ao risco de incêndio.
Esses problemas refletem uma tendência de falhas no setor de IA, com empresas lançando produtos inacabados. Google, Microsoft e Samsung também enfrentaram desafios com suas ofertas de IA.
Outro grande fracasso, que já foi enterrado, foi o R1, da startup Rabbit, que tentou uma IA de bolso, mas que se mostrou extremamente falha na compreensão de voz e imagens, tornando-se, mais um na lista dos fracassos de 2024.
Em ‘Justiça 2’, ator cadeirante apareceu andando em cenas com o auxílio de IA generativa 
Comissão Federal de Comércio e Departamento de Justiça dividem responsabilidades em investigações sobre o impacto dos gigantes tecnológicos na indústria de inteligência artificial
Parceria entre Cinnecta e cooperativa do Sicredi concedeu mais de R$ 100 milhões a 10 mil famílias e diminuiu a inadimplência em 50%
Tim Cook deve "tirar o atraso" da Apple em inteligência artificial com um pacote de atualizações para o iPhone
01
02
03

exame no whatsapp
Receba as noticias da Exame no seu WhatsApp

source

Compartilhe:

Picture of Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria, aos 27 anos, é a mente criativa por trás da produção de textos da Kriahtiva. Com uma paixão inigualável pelo universo online, seus textos são faróis de inspiração, navegando pelos mares do marketing digital com inovação e expertise. Em cada artigo, ele transforma conceitos complexos em leituras envolventes, guiando os leitores por uma jornada única de descobertas no vasto mundo do marketing.

Sobre o autor

Picture of Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria, aos 27 anos, é a mente criativa por trás da produção de textos da Kriahtiva. Com uma paixão inigualável pelo universo online, seus textos são faróis de inspiração, navegando pelos mares do marketing digital com inovação e expertise. Em cada artigo, ele transforma conceitos complexos em leituras envolventes, guiando os leitores por uma jornada única de descobertas no vasto mundo do marketing.

Veja também

mais acessados

On Key

Related Posts

Por que o AI Pin se tornou o maior fracasso de 2024 – Exame Notícias