• Home
  • Notícias
  • Pages
  • Método usa inteligência artificial para detectar fake news com sucesso de 94% – Vermelho

Método usa inteligência artificial para detectar fake news com sucesso de 94% – Vermelho

Técnica desenvolvida por mestrando da Federal Fluminense possibilita a análise textual de notícias para verificar se são verdadeiras ou não. Ideia é criar ferramenta online
Publicado 10/07/2024 12:13 | Editado 11/07/2024 10:02
Como forma de contribuir para o combate às fake news no ambiente digital, um mestrando da Universidade Federal Fluminense (UFF) desenvolveu um método para a detecção desse tipo de publicação usando recursos de inteligência artificial (IA). A técnica é capaz de diferenciar o que é verdadeiro ou falso com precisão de 94%.
Para se chegar a este resultado, foram analisadas mais de 30 mil mensagens publicadas na rede social X (antigo Twitter). Ao todo, foram testadas três formas diferentes de averiguação, das quais duas tiveram os melhores resultados e podem ser usadas juntas, de maneira complementar. 
A primeira consiste em alimentar um algoritmo com notícias verdadeiras e treiná-lo para reconhecê-las. A outra é semelhante no que se refere à análise textual, mas em vez do uso de algoritmo, foi utilizada metodologia estatística, que analisa a frequência com que determinadas palavras e combinações de palavras aparecem nas fake news. 
“A ideia é desenvolver uma ferramenta online em que o usuário possa copiar e colar um texto e que indique se o mesmo apresenta indícios de uma notícia falsa”, explica ao Portal Vermelho o professor e orientador da pesquisa, Diogo Mattos. A técnica resulta de estudo feito pelo engenheiro de telecomunicações Nicollas Rodrigues, em sua dissertação de mestrado pela UFF.
Mattos acrescenta que o método “visa somente analisar o estilo textual para identificar características que sugiram que o texto é uma notícia falsa ou não. Por só analisar o texto, a ferramenta não depende de dados de propagação do conteúdo em redes sociais ou informações dos usuários que o compartilha”. 
Leia também: Quantas tragédias terão de acontecer até que o Brasil regule as redes?
A motivação para a pesquisa, diz, deve-se ao “aumento do número de notícias falsas divulgadas e o interesse público pelo tema das fake news, verificado a partir do crescimento na quantidade de buscas no Google desde de 2016”. 
A ferramenta pode ajudar inclusive aqueles que acreditam saber diferenciar o que é fato do que é falso. Pesquisa divulgada em abril e feita pelo Instituto Locomotiva mostrou que quase 90% da população brasileira admite ter acreditado em conteúdos não verdadeiros. Segundo o levantamento, oito em cada dez brasileiros já deu credibilidade a fake news. Mesmo assim, 62% confiam na própria capacidade de diferenciar informações falsas e verdadeiras. 
Outra pesquisa, de 2022, feita pela Poynter Institute, escola de jornalismo e organização de pesquisas americana, aponta que no Brasil, quatro em cada dez pessoas dizem receber notícias falsas todos os dias.
Diante dos resultados promissores obtidos pela pesquisa, o professor explica que agora o foco é a publicação de artigos científicos que divulguem essas conclusões e dêem publicidade aos métodos testados.
Ele acrescenta que foram desenvolvidos ainda alguns projetos em parceria com órgãos de fomento (CNPq, Capes e Faperj) e com a Prefeitura de Niterói que focam a identificação de fake news e uso de IA para o tratamento de textos.
CGI.br lembra que projeto sobre regulação das plataformas, recém-engavetado pelo presidente da Câmara, foi construído por 4 anos de forma democrática com a sociedade
O uso sórdido das redes sociais durante o desastre que assola o Rio Grande do Sul acende novamente o alerta sobre a necessidade urgente de regulação das big techs
“Temos cada vez mais evidências de que nossos ecossistemas de informação são tóxicos e que o surgimento das mídias sociais contribuiu significativamente para isso”, afirma Melissa Fleming
Renata Mielli, coordenadora do CGI.br, diz que lei foi pensada para estruturar direitos e que o impacto das redes exige avançar na regulação do ambiente digital
Endereço: SCLRN 705 – Bloco E – Loja 08 – Parte UH Asa Norte – Brasília/DF CEP 70.730.555

source

Compartilhe:

Picture of Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria, aos 27 anos, é a mente criativa por trás da produção de textos da Kriahtiva. Com uma paixão inigualável pelo universo online, seus textos são faróis de inspiração, navegando pelos mares do marketing digital com inovação e expertise. Em cada artigo, ele transforma conceitos complexos em leituras envolventes, guiando os leitores por uma jornada única de descobertas no vasto mundo do marketing.

Sobre o autor

Picture of Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria, aos 27 anos, é a mente criativa por trás da produção de textos da Kriahtiva. Com uma paixão inigualável pelo universo online, seus textos são faróis de inspiração, navegando pelos mares do marketing digital com inovação e expertise. Em cada artigo, ele transforma conceitos complexos em leituras envolventes, guiando os leitores por uma jornada única de descobertas no vasto mundo do marketing.

Veja também

mais acessados

On Key

Related Posts

Método usa inteligência artificial para detectar fake news com sucesso de 94% – Vermelho