• Home
  • Notícias
  • Pages
  • Esses são os três empregos que a inteligência artificial não pode substituir, segundo especialistas – Tempo.com

Esses são os três empregos que a inteligência artificial não pode substituir, segundo especialistas – Tempo.com

Apesar dos enormes avanços da ciência, algumas capacidades ainda são exclusivas dos humanos e serão difíceis de serem substituídas pela inteligência artificial.
O conceito e a ambição da ciência e da robótica de desenvolver máquinas mais inteligentes que o homem têm mais de 70 anos. Mas é agora, neste século, que testemunhamos avanços na inteligência artificial (IA) que só vimos nos filmes.
Desde o lançamento do Chat GPT em 2022, tudo parecia acelerar e toda semana surgem notícias sobre novas conquistas da IA: prever terremotos, prever doenças, criar peças gráficas, escrever livros, projetar edifícios.
E também ameaça a humanidade. Se a IA puder realizar tarefas tão bem ou melhor que os seres de carne e osso, muitos empregos estarão em perigo.
Felizmente nem sempre as coisas acontecem assim e os avanços tecnológicos nem sempre eliminam a presença do ser humano em -pelo menos- alguma parte do processo ou tarefa.
É verdade que há empregos que estão seriamente ameaçados. Mas, segundo especialistas, há outros que podem ficar tranquilos, pelo menos por enquanto. Quais são?
Em diálogo com a BBC, Martin Ford, autor de “Rule of the Robots: How Artificial Intelligence Will Transform Everything”, afirma que há coisas que a IA ainda não pode fazer: “Acho que geralmente há três categorias que serão relativamente protegidas no futuro próximo”.
A primeira categoria tem a ver com criatividade. Segundo Ford, aqueles empregos em que “você realmente gera novas ideias e constrói algo novo. Na ciência, na medicina e no direito… pessoas cujo trabalho é criar uma nova estratégia jurídica ou empresarial. Acho que continuará a haver um lugar para os seres humanos lá.”
A segunda categoria de empregos “seguros” são aqueles que exigem fortes competências interpessoais. Dentro destes tipos de competências, Ford inclui, por exemplo, enfermeiros, consultores empresariais e jornalistas de investigação.
Trabalhos que exigem um conhecimento muito profundo das pessoas. “Acho que ainda levará muito tempo até que a IA tenha a capacidade de interagir de uma forma que realmente construa relacionamentos”, esclarece o especialista.
A terceira categoria está relacionada às habilidades para resolver, na prática, problemas ou situações imprevisíveis ou altamente mutáveis. Ford refere-se aos ofícios: eletricistas, encanadores, instaladores de gás, soldadores e outros trabalhos semelhantes.
Embora seja verdade que já existam aspiradores domésticos que funcionam sozinhos, ainda está longe um robô que seja tão inteligente e habilidoso quanto possa realizar a instalação elétrica de uma casa.
“São trabalhos que realmente exigem muita mobilidade, destreza e capacidade de resolver problemas em ambientes imprevisíveis. “Este é o tipo de trabalho em que você se depara com uma situação nova o tempo todo”, acrescenta. “Eles são provavelmente os mais difíceis de automatizar”.
Em linha com Ford e também em diálogo com a BBC, Joanne Song McLaughlin, professora associada de economia do trabalho na Universidade de Buffalo, nos EUA, pensa que a maioria dos empregos será afetada de alguma forma pelo surgimento da IA.
No entanto, ele está otimista: “Em muitos casos, não há ameaça imediata aos empregos”, diz ele, “mas as tarefas mudarão”.
Segundo o especialista, o ser humano deve focar no desenvolvimento de habilidades interpessoais. “A IA detectará cânceres muito melhor do que os humanos. Acho que os médicos usarão essa nova tecnologia no futuro. Mas não creio que substitua todo o papel do médico”, diz McLaughlin, que acredita que a maioria dos pacientes desejará um médico de verdade para fornecer informações e conselhos sobre uma questão tão delicada.
É difícil prever até que ponto e quando a IA afetará cada tipo de trabalho. Mas, certamente, é uma questão que parece problemática. “Isso não acontece apenas com indivíduos, mas pode ser bastante sistêmico”, diz Ford.
“Isso pode acontecer com muitas pessoas, potencialmente de repente, potencialmente com todas elas ao mesmo tempo. E isso tem implicações não apenas para esses indivíduos, mas para toda a economia.”
Neste momento, méritos como educação ou experiência não parecem ser uma garantia contra o avanço da IA. “Podemos pensar que uma pessoa com um cargo administrativo ocupa um lugar mais alto na estrutura do que alguém que ganha a vida dirigindo um carro”, diz Ford.
Mas esclarece: “O futuro do funcionário administrativo está mais ameaçado do que o do motorista do Uber, porque ainda não temos carros autônomos, mas a IA certamente pode escrever relatórios. Em muitos casos, os trabalhadores com maior escolaridade estarão mais ameaçados do que os trabalhadores com menor escolaridade. Pense na pessoa que trabalha limpando quartos de hotel: é muito difícil automatizar esse trabalho”, finaliza o autor.
2024 Meteored. Todos os direitos reservados

source

Compartilhe:

Picture of Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria, aos 27 anos, é a mente criativa por trás da produção de textos da Kriahtiva. Com uma paixão inigualável pelo universo online, seus textos são faróis de inspiração, navegando pelos mares do marketing digital com inovação e expertise. Em cada artigo, ele transforma conceitos complexos em leituras envolventes, guiando os leitores por uma jornada única de descobertas no vasto mundo do marketing.

Sobre o autor

Picture of Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria, aos 27 anos, é a mente criativa por trás da produção de textos da Kriahtiva. Com uma paixão inigualável pelo universo online, seus textos são faróis de inspiração, navegando pelos mares do marketing digital com inovação e expertise. Em cada artigo, ele transforma conceitos complexos em leituras envolventes, guiando os leitores por uma jornada única de descobertas no vasto mundo do marketing.

Veja também

mais acessados

On Key

Related Posts

Esses são os três empregos que a inteligência artificial não pode substituir, segundo especialistas – Tempo.com