• Home
  • Notícias
  • Pages
  • Em tempos de IA generativa, fake news continuam a tirar o sono dos executivos – InfoMoney

Em tempos de IA generativa, fake news continuam a tirar o sono dos executivos – InfoMoney

Equipe InfoMoney

Publicidade
O surgimento da IA generativa potencializou o risco de que as fake news (informações falsas) causem estragos não somente financeiros, mas também à reputação das empresas, levando ao questionamento de até que ponto a tecnologia é vilã ou aliada.
Neste cenário, uma das mesas mais aguardadas da última edição do Aberje
Trends, nesta terça-feira (25), foi o debate sobre o assunto. O evento teve o InfoMoney como media partner.
Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos
Mediada por Suelma Rosa dos Santos, vice-presidente de Assuntos Corporativos
da PepsiCo para a América Latina, a mesa explorou como tecnologias emergentes,
como a inteligência artificial, estão transformando a comunicação e levantando
questões éticas e legislativas urgentes. Mudanças rápidas não aguardam a
adaptação da lei nem dos profissionais que lidam com elas, mas apresentam oportunidades para os comunicadores.

A preocupação compartilhada pelos executivos é não apenas a velocidade
com que as fake news se espalham, mas suas consequências. “A gente
vive um momento de grande desinformação. As fake news se espalham hoje 70%
mais rápido, por isso, checar a informação só depois de divulgá-las pode causar um
prejuízo imensurável. Neste cenário, sendo muito otimista, cerca de 51% dos
Continua depois da publicidade
usuários checam onde surgiram essas notícias antes de passar adiante e, o
mercado financeiro é muito fácil de ser usado para assustar as pessoas e ele acaba
sendo frequentemente inserido em alguma fake news”, diz Pamela Vaiano, sócia e
superintendente de comunicação corporativa do Itaú Unibanco (ITUB4).
Os participantes compartilharam situações em que suas empresas foram
impactadas, de maneira negativa, por fake news disseminadas. A GM, por
exemplo, enfrentou em 2023, o boato de que a empresa planejava encerrar suas
operações no Brasil, informação rapidamente disseminada e que acabou tomando
grandes proporções e exigiu uma resposta rápida.
“Do ponto de vista empresarial as fake news trouxeram para nós um desafio tremendo,
que chegou a prejudicar nossas vendas e a moral do nosso time. As pessoas
ficaram com medo de perder seus empregos, os fornecedores começaram a ficar
preocupados e os consumidores se retraíram. Atacamos com a verdade e o
compromisso assumido de que não sairíamos do Brasil e anunciamos um
investimento de R$ 7 bilhões”, conta Fabio Rua, vice-presidente de Relações
Governamentais, Comunicação e ESG da General Motors América do Sul.
Os painelistas discutiram os desafios enfrentados pelos profissionais de comunicação para lidar com a disseminação de informações falsas, promovendo práticas de fact-checking e adaptando-se às rápidas mudanças tecnológicas. A mesa também trouxe insights sobre o papel crucial da legislação e da ética na comunicação contemporânea.
A comunicação com os diferentes públicos é outro desafio enfrentado pelas
empresas na forma de levar informações corretas. “Existe todo um sistema de crenças das pessoas sobre a alimentação. Nosso desafio para disseminar as informações corretas é falar com cada grupo com a linguagem adequada. Para os mais jovens, por exemplo, funciona uma comunicação mais lúdica, levando informação de forma atraente. Com os
profissionais de saúde, funciona uma informação que o ajude no dia a dia com seus
clientes. Ou seja, para cada tipo de público a gente vai buscando um caminho”, diz
Adriana Moucherek, diretora de marketing, comunicação, trade e inteligência de
dados na Ajinomoto do Brasil.
O evento foi patrocinado pela BASF, Bayer, Engie, Gerdau, Itaú, Latam,
Arcos Dourados (Mcdonald’s), Novo Nordisk e Stellantis, tem apoio da CPFL
Energia, Prospectiva Public Affairs LAT.AM, P3K e Tetra Pak.
Plataforma de vídeos estaria se preparando para lançar novas ferramentas ainda neste ano, segundo o Financial Times
A empresa é agora membro de um clube de elite formado por apenas algumas companhias que ultrapassaram esse valor de mercado
Equipe InfoMoney

source

Compartilhe:

Picture of Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria, aos 27 anos, é a mente criativa por trás da produção de textos da Kriahtiva. Com uma paixão inigualável pelo universo online, seus textos são faróis de inspiração, navegando pelos mares do marketing digital com inovação e expertise. Em cada artigo, ele transforma conceitos complexos em leituras envolventes, guiando os leitores por uma jornada única de descobertas no vasto mundo do marketing.

Sobre o autor

Picture of Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria, aos 27 anos, é a mente criativa por trás da produção de textos da Kriahtiva. Com uma paixão inigualável pelo universo online, seus textos são faróis de inspiração, navegando pelos mares do marketing digital com inovação e expertise. Em cada artigo, ele transforma conceitos complexos em leituras envolventes, guiando os leitores por uma jornada única de descobertas no vasto mundo do marketing.

Veja também

mais acessados

On Key

Related Posts

Em tempos de IA generativa, fake news continuam a tirar o sono dos executivos – InfoMoney