• Home
  • Notícias
  • Pages
  • Cientistas chineses foram longe e criaram o 1º Comandante Militar do Mundo feito por Inteligência artificial – Revista Sociedade Militar

Cientistas chineses foram longe e criaram o 1º Comandante Militar do Mundo feito por Inteligência artificial – Revista Sociedade Militar

Chineses criaram um comandante militar de inteligência artificial / Ilustração criada pela Revista Sociedade Militar
Este comandante virtual, confinado estritamente a um laboratório na Faculdade de Operações Conjuntas da Universidade de Defesa Nacional em Shijiazhuang, província de Hebei, é projetado para espelhar um comandante humano em todos os aspectos, incluindo experiência, padrões de pensamento, personalidade e até mesmo suas falhas.
O nível das Inteligências Artificiais evoluem de forma exponencial. De acordo com este estudo publicado, em recentes testes, a IA foi capaz de enganar mais de 50% das pessoas fingindo se passar por um humano, clique aqui para ler.
Em simulações de guerra em grande escala, que envolvem todos os ramos do Exército de Libertação Popular (PLA), o comandante IA recebeu autoridade suprema sem precedentes, aprendendo e evoluindo rapidamente nas guerras virtuais em constante mudança. Este projeto de pesquisa inovador foi revelado em maio em um artigo revisado por pares publicado na revista chinesa “Common Control & Simulation”.
Recebra nossas notícias sem depender dos algorítimos das redes sociais
A equipe, liderada pelo engenheiro sênior Jia Chenxing, destacou que a tecnologia IA tem tanto potencial quanto riscos nas aplicações militares, mas este projeto oferece uma solução viável para o dilema crescente.
Na China, o princípio “O Partido comanda a arma” é estritamente seguido, e somente a Comissão Militar Central do Partido Comunista da China tem autoridade para mobilizar o PLA. Embora a tecnologia IA esteja adquirindo a capacidade de tomar decisões independentes, unidades avançadas, incluindo drones e cães robóticos, têm mais liberdade de movimento e poder de fogo, mas a autoridade de comando permanece firmemente nas mãos humanas nos quartéis-generais.
O PLA tem preparado diversos planos operacionais para potenciais conflitos militares em áreas como Taiwan e o Mar do Sul da China. Um objetivo essencial dos cientistas é testar esses planos em simulações para “pesar o bom e o ruim e obter insights sobre o caos da batalha”, conforme escrito por Jia e seus colegas.
As simulações militares em nível de campanha frequentemente exigem a participação de comandantes humanos para tomar decisões imediatas em resposta a eventos inesperados. No entanto, o número de comandantes sêniores do PLA e sua disponibilidade são muito limitados, tornando impossível sua participação em um grande número de simulações de guerra.
De acordo com uma reportagem do South China Morning Post, a IA comandante pode substituir comandantes humanos quando eles não podem participar de uma grande batalha virtual ou exercer autoridade de comando. Dentro do laboratório, ela pode exercer esse poder livremente, sem qualquer interferência humana.
A equipe de Jia explicou que o comandante IA foi configurado inicialmente como um estrategista experiente e brilhante, “possuindo faculdades mentais sólidas, um caráter equilibrado e firme, capaz de analisar e julgar situações com calma, sem decisões emocionais ou impulsivas, e rápido em elaborar planos práticos ao recordar cenários de tomada de decisão semelhantes da memória”.
No entanto, essa configuração pode ser ajustada se necessário. Para simular a fraqueza humana de esquecer, os cientistas também impuseram um limite ao tamanho da base de conhecimento do comandante IA. Quando a memória atinge o limite, algumas unidades de conhecimento são descartadas.
Este desenvolvimento permite ao PLA conduzir um grande número de simulações de guerra sem intervenção humana. A IA identifica novas ameaças, elabora planos e toma decisões ótimas com base na situação geral, aprendendo e se adaptando com as vitórias e derrotas.
A criação deste comandante IA coloca a China na vanguarda da corrida global por aplicações militares de IA, com os Estados Unidos também na disputa. Contudo, tanto Pequim quanto Washington compartilham preocupações sobre os riscos que o desenvolvimento desenfreado da IA representa para a segurança humana.
Os líderes de China, Estados Unidos e Rússia estão negociando para criar um conjunto de regulamentos que mitigue os riscos da militarização da IA, incluindo a proibição de que a IA ganhe controle sobre armas nucleares.
A Oferta dos Estados Unidos: Em um episódio histórico pouco conhecido, os Estados Unidos ofereceram à Marinha do Brasil um…
Com o aumento das ameaças representadas pelos drones em conflitos contemporâneos, surge a pergunta: o Exército do Brasil está preparado…
A 4ª Frota da Marinha dos Estados Unidos se aproxima da América do Sul, liderada pelo porta-aviões USS George Washington….
Revista Sociedade Militar, todos os direitos reservados.

source

Compartilhe:

Picture of Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria, aos 27 anos, é a mente criativa por trás da produção de textos da Kriahtiva. Com uma paixão inigualável pelo universo online, seus textos são faróis de inspiração, navegando pelos mares do marketing digital com inovação e expertise. Em cada artigo, ele transforma conceitos complexos em leituras envolventes, guiando os leitores por uma jornada única de descobertas no vasto mundo do marketing.

Sobre o autor

Picture of Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria - Redação Kriahtiva

Marcelo Faria, aos 27 anos, é a mente criativa por trás da produção de textos da Kriahtiva. Com uma paixão inigualável pelo universo online, seus textos são faróis de inspiração, navegando pelos mares do marketing digital com inovação e expertise. Em cada artigo, ele transforma conceitos complexos em leituras envolventes, guiando os leitores por uma jornada única de descobertas no vasto mundo do marketing.

Veja também

mais acessados

On Key

Related Posts

Cientistas chineses foram longe e criaram o 1º Comandante Militar do Mundo feito por Inteligência artificial – Revista Sociedade Militar